Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2014

A plena satisfação

O mais difícil para o crente talvez seja encontrar toda a sua satisfação em Cristo, e só em Cristo.
Na nossa religiosidade gostamos de nos exercitar em exercícios físicos de autodisciplina, que revelam a nossa devoção a Deus, a nossa humildade, jejuando ou abstendo-nos de várias coisas. Tudo isto, como diz o apóstolo Paulo, tem alguma aparência de piedade, mas não é de valor algum senão para a satisfação da carne (Col.2:23).
O problema não está propriamente nas nossas abstinências ou no desejo de agradar a Deus no nosso viver diário; coisas que, em si mesmas, podem ser louváveis e benéficas, mas sim no facto disso contribuir para a satisfação do nosso orgulho próprio, do nosso ego, aumentando o nosso índice natural para a busca de merecimentos e de dignidade espiritual…
Na verdade, temos muita dificuldade em aceitar que na nossa relação com Deus só contam os merecimentos de Jesus Cristo, a obra e o sacrifício de Jesus Cristo, a vida eterna que Ele nos dá pelo Seu Espírito.
Em Cristo temos…

A grande lição de Hebreus

A grande diferença entre o Velho Testamento e o Novo Testamento consiste no local onde Deus coloca a Sua Lei: em tábuas de pedra, no ministério de Moisés, ou no coração e na mente dos homens, no ministério de Jesus Cristo.
Agora, todo aquele que entra nesta Nova aliança em Cristo possui o conhecimento de Deus, pois é ensinado pelo Espírito Santo que nele habita e opera.
O Sumo-Sacerdote desta Nova Aliança é Jesus Cristo, portanto um sacerdócio eterno e perfeito. Os sacrifícios de animais no Velho Testamento eram uma sombra ou figura do sacrifício redentor que verdadeiramente expia os pecados dos crentes: a oblação do corpo de Jesus Cristo feita uma só vez, e pela qual Deus aperfeiçoou para sempre os que são santificados.
Jesus Cristo, o nosso Sumo-Sacerdote, entrou no verdadeiro Santuário, nos céus e não na terra, onde se encontra à dextra de Deus intercedendo por nós.
Assim, todo o crente em Jesus Cristo tem o privilégio de aceder diretamente à presença de Deus e de ter comunhão com o Al…

Efésios 10

Quando pensamos na nossa salvação temos a tendência para esquecer as tremendas consequências provenientes da queda dos nossos primeiros pais. Tal como o Senhor havia dito, quando o homem pecou ele morreu também espiritualmente. Com efeito, a morte física é resultante dessa morte espiritual.
Só tendo consciência desta realidade poderemos avaliar devidamente o imenso amor, a riqueza da misericórdia e da graça de Deus para connosco: na verdade, nós estávamos mortos no nosso pecado, e Deus deu-nos a vida em Cristo Jesus. Por meio do Evangelho, o Senhor suscitou em nós a fé, pela qual nos vivificou em Cristo e nos fez assentar nos lugares celestiais, para desfrutarmos igualmente da glória de Cristo.
Portanto, a salvação não vem de nós mesmos, não vem das nossas obras, das nossas decisões ou de algo que haja em nós, a fim de que não nos possamos gloriar.
A salvação é um dom gratuito de Deus! É Ele Quem faz de nós novas criaturas em Cristo Jesus, levando-nos deste modo à prática das boas obras,…

Romanos 3:9

Sabemos que todas as coisas que sucedem na nossa vida e à nossa volta na sociedade contribuem, na sua globalidade, para o nosso bem.Que bem é este?
Sermos conformes à imagem de Cristo. A Escritura afirma que aqueles aos quais Deus conheceu como Seus, e aos quais amou e ama com amor eterno em Cristo Jesus, a esses também predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Ele seja o primogénito entre muitos irmãos.
Assim, todos aqueles a quem Deus chama e atrai a Jesus Cristo por meio da fé no Evangelho, a todos esses o próprio Senhor vai moldando e aperfeiçoando em Cristo Jesus, de modo a que no final dessa Sua obra em nós, estejamos conformes à imagem de Cristo.
Sabemos que Deus opera em nós, não só pelo Seu Espírito, mas também através dos diversos acontecimentos e circunstâncias que surgem na nossa vida ao longo desta peregrinação terrena. Portanto, por mais adversas e penosas que sejam as situações pelas quais passamos, sabemos que todas elas têm um alvo na nossa vid…

Que justiça?

Causa-nos perplexidade sabermos que há ainda pessoas que se dizem cristãs e que pretendem continuar a viver debaixo da Lei dada por Deus a Moisés para o povo de Israel. Obviamenteque não podem cumprir todos os requisitos dessa Lei, porque se o pudessem fazer Jesus Cristo não teria vindo ao mundo a fim de assumir a condição humana para em lugar do homem pecador cumprir perfeitamente a Lei e, assim, alcançar a justiça de Deus para todo aquele que n’Ele crê. Também não é pelo facto de não comerem certas carnes proibidas, nem por guardarem o sétimo dia estipulado na Lei, que alcançarão a justiça que Deus requer.
Mas o que nos deixa verdadeiramente perplexos é esses ditos “cristãos” não lerem o Novo Testamento, ou então, não compreenderem absolutamente nada do que é revelado acerca de Jesus Cristo, e de como n’Ele se cumpre toda a Lei. Tudo é sombra ou figura na Lei de Moisés, a realidade é Jesus Cristo!
Em Cristo Jesus, o crente entra no verdadeiro sábado do Senhor, pois repousa das suas ob…

Moral ou graça Divina?

Alguns pensam que a proclamação da misericórdia e da graça de Deus como a causa única da nossa eterna salvação torna os homens preguiçosos e desleixados quanto ao seu comportamento e às suas ações. Se tudo é obra da graça Divina, então nada mais resta ao homem fazer!
Ora, sucede que o contrário é que é verdadeiro. É precisamente porque Deus opera tudo em nós, que nós podemos fazer, e fazemos infalivelmente alguma coisa!
Posso ouvir muitos sermões sobre os meus deveres quanto a ser honesto, íntegro, ter autodomínio, vencer as más inclinações que há em mim… Nada disso me ajudará a fazer o bem, pelo contrário, o mais certo é desencorajar-me, fazer-me cair na depressão ou numa cínica indiferença. A moral, por si só, corrompe os homens.
Mas escutar Jesus Cristo, ouvir a Sua Palavra, significa vida, ação divina em nós. Então, pelo poder da Palavra de Cristo somos impulsionados a agir em conformidade com a vontade de Deus para nós. A Palavra Divina liberta-nos dos desejos da carne, dando-nos a …

A Verdade

Se Jesus Cristo é o nosso Senhor, como nós o confessamos, isso significa simplesmente que a Ele submetemos incondicionalmente os nossos pensamentos, as nossas palavras e os nossos atos. E é Ele Aquele cujo julgamento justo, infalível, inexorável e, simultaneamente, misericordioso revela continuamente quem nós somos.
As obras de Jesus Cristo nesta peregrinação terrena trazem à luz a nossa condição de homens perdidos e sem qualquer esperança de redenção fora dessas mesmas obras.
Lembremo-nos do cético Pilatos e da sua interrogação “que é a Verdade?”. Quase sempre, aos nossos olhos há tanta coisa mais importante e urgente do que conhecer a Verdade… basta proclamar a Verdade para ser Rei? Mas, de facto, essa é a razão pela qual Cristo veio a este mundo, a razão pela qual o Pai Lhe deu toda a autoridade: pela causa da Verdade!
Não tenhamos ilusões, abramos os nossos olhos em plena confiança, na certeza de que a Palavra de Jesus Cristo, o Juiz supremo, é a Palavra perfeita e final de Deus aos …

Prudência e Sabedoria

A prudência, à luz da Bíblia, implica um sábio proceder na vivência do dia-a-dia e nas decisões práticas que têm de ser tomadas continuamente por nós. A prudência é também chamada “a ciência do santo” (Prov. 9:10), pois o homem piedoso é alguém que nos seus empreendimentos se dá ao trabalho de saber como atuar e de planear de um modo realista a sua ação. O sinal mais evidente da prudência consiste no reconhecimento da soberania de Deus em todas as áreas da vida humana, levando o homem a temer o Senhor e a buscar a Sua direção em todos os momentos e circunstâncias. O homem prudente é verdadeiramente sábio ao reconhecer que todas as suas capacidades vêm de Deus (Tiago 1:17; I Cor. 4:7; II Cor. 3:5). A sabedoria, na Bíblia, não é uma amálgama de conhecimentos intelectuais, consiste no saber viver, num sentido correto das prioridades na ação, no bom discernimento que leva o homem a tomar as melhores opções no seu quotidiano. Ela é fruto duma relação íntima com Deus, do pôr em prática da Pal…

Rumo à Pátria

Este foi o tema escolhido pela Sociedade de Senhoras da nossa igreja para a semana especial de cultos que hoje termina. No meio da vertigem que envolve tantas vezes a nossa vivência neste mundo é bom pararmos um pouco para refletirmos sobre o facto de estarmos numa viagem, numa peregrinação rumo à nossa verdadeira pátria, a Jerusalém celestial. Só ali teremos uma moradia eterna, a qual o próprio Senhor Jesus está a preparar para cada um daqueles que são Seus, a Sua família espiritual. Foi Ele mesmo Quem afirmou que iria preparar-nos um lugar, a fim de estarmos para sempre junto d’Ele e sermos participantes da Sua glória eterna. É certo que ao longo desta nossa peregrinação terrena temos de enfrentar lutas, sofrimento, provações várias, pois o caminho é estreito e pedregoso, cheio de dificuldades, em virtude de termos um corpo carnal sujeito ao pecado, o qual aguarda ainda a sua redenção. Mas, o Senhor prometeu estar connosco ao longo de toda a nossa caminhada terrena, e garantiu-nos a vit…