segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

COMO ESTAR NO CULTO


O nosso alvo e desejo no culto deve ser aprender e não criticar. Devemos estar atentos e procurar aproveitar todas as pequenas bênçãos do culto e não estarmos a reparar e a centrarmos a nossa atenção nas falhas que eventualmente surjam quer no prégador ou no dirigente do culto, quer no próprio culto e nos que estão à nossa volta. Deus pode falar e fala-nos através do mais humilde prégador, mas se estivermos a observar e a criticar as suas imperfeições perderemos a mensagem que o Senhor está a enviar-nos. O nosso único cuidado crítico deve ser em relação à exigência de fidelidade aos ensinos da Escritura, quanto ao resto devemos ter mentes receptivas, corações dóceis, antes do culto, durante o culto e depois do culto.
Seria bom que cada um de nós tomasse a seguinte resolução: “Não irei ao culto para criticar ou ficar indiferente, como mero espectador. Irei disposto a tirar o máximo proveito possível, procurando guardar no coração e na mente a Palavra que o Senhor enviar, a fim de viver de um modo que Lhe agrade”.
Quem vai ao culto deve estar consciente de quão importante é a sua presença cooperadora e encorajadora, dando a sua voz em hinos de louvor, tendo um sorriso amável e uma palavra de consolo para quem está em tribulação ou num momento difícil da sua vida, dando também a sua atenção à Palavra que vem de Deus.
Se tivermos participado no culto numa atitude correcta, as nossas vidas brilharão em amor contagiante, em santa influência, em irresistível atracção. Na comunhão da igreja ficamos a conhecer melhor os nossos irmãos e estaremos mais aptos a ajuda-los e a servi-los nas suas necessidades.
Pastor Celestino Torres de Oliveira

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

TIAGO 4:7


Satanás não dorme e está em constante actividade, preparando-nos ciladas e tentando continuamente os remidos do Senhor. Importa, pois, que estejamos conscientes da existência deste astuto Inimigo. Quer os homens creiam ou não, o facto é que Satanás existe, pois a Palavra de Deus assim o afirma.
Vejamos, então, alguns efeitos da acção do Inimigo na vida dos crentes em Jesus Cristo:
Quem é que leva os crentes a optarem por uma ida ao cinema, ao futebol, à praia ou ao campo, em vez de estarem na casa de oração a cultuarem a Deus? Quem fomenta nalguns crentes o hábito de chegarem sempre depois do culto já ter começado? Quem faz com que os pensamentos de muitos voem para bem longe durante o culto? Quem incentiva a nossa preguiça natural levando-nos a preferir ficar a descansar em casa, em vez de irmos participar no culto da nossa igreja? Quem faz com que tantos sejam atraídos por más companhias e más conversações?
Todos sabemos que o Inimigo procura continuamente desviar-nos da leitura diária da Bíblia, de momentos de oração e comunhão com Deus. Em todas estas circunstâncias, Satanás procura derrotar-nos e prejudicar a nossa caminhada cristã.
Mas, se em todos os momentos e circunstâncias da nossa vida, colocarmos em prática esta grande exortação que nos é dada por Tiago na sua epístola, o Senhor nos dará a vitória, pois em Jesus Cristo somos mais do que vencedores.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

ACTOS 20:28-30


Esta exortação dada por Paulo aos anciãos (também chamados bispos ou pastores) da igreja de Éfeso foi sempre actual ao longo dos séculos para todas as igrejas de Cristo, onde quer que elas se congreguem. A vigilância para que a igreja permaneça fiel aos ensinos de Jesus Cristo é responsabilidade de todos os seus membros, mas de uma forma particular dos seus líderes espirituais.
Não podemos dar crédito a qualquer que nos vem falar em “nome do Senhor”, citando textos bíblicos, sem examinarmos primeiro se o que ensina ou prega está em conformidade com toda a Revelação bíblica, com todo o ensino do nosso Divino Mestre.
Paulo sabia pelo Espírito Santo, e a história confirmou-o plenamente, que a igreja está de contínuo ameaçada por “lobos cruéis”, homens e mulheres que procuram atrair multidões após si, para satisfação dos seus desejos carnais de domínio, de fama ou de prosperidade material.
Foi o Senhor Quem, pelo Seu próprio sangue, resgatou a Sua igreja e nos torna, pelo Seu Espírito, participantes da Sua vida, uma vida eterna e abundante que se inicia já aqui nesta peregrinação quando cremos em Jesus Cristo como o nosso Salvador e Senhor. Mas importa que perseveremos firmes e fiéis nos ensinos de Cristo e na obediência à Sua vontade até que Ele nos chame à Sua presença. Daí também a importância duma contínua vigilância para que não nos desviemos da sã doutrina, da fé uma vez dada aos santos.
Será que cada um de nós está ciente desta responsabilidade vital para que um dia possamos estar com Cristo na Sua eterna glória?

Pastor Celestino Torres de Oliveira

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A REVERÊNCIA NA CASA DE DEUS


Muitos pastores, na sua experiência e psicologia prática, afirmam que podem conhecer um crente pelo seu modo de entrar na casa de oração: conhecer a sua espiritualidade, o seu amor a Deus e o conhecimento que tem do Altíssimo.
Há aqueles que entram já depois do culto ter começado, com grande ruído e aparato, sem a mínima reverência, falando com quem passam, sem qualquer respeito para com o acto de culto que está a decorrer. Há, também, crentes que quando chegam mais cedo ficam a falar e a rir no átrio, e só resolvem entrar quando ouvem a congregação cantar o primeiro hino. Outros, durante a prégação da Palavra de Deus estão sempre a olhar para trás e para os lados, com tanta leviandade que causam tristeza.
Devemos entrar e estar na casa de Deus com reverência, conscientes do que ali se está a fazer, e sobretudo sabendo que aquele é o lugar onde o nome excelso de Jesus é invocado e anunciado aos pecadores.
Não devemos ser tão negativos ao ponto de julgarmos uma congregação inteira por meia dúzia de irreverentes que haja no seu seio. No entanto, não deixa de ser mau para qualquer igreja a existência de “pedras de tropeço”, por poucas que sejam. Sabemos, por exemplo, que alguns aproveitam a hora do culto para ir “namoriscando”, para traçar planos ou trocar bilhetinhos e risinhos, outros estão sempre a ir à casa de banho… Tudo isto são situações que prejudicam o prégador e o seu sermão, bem como incomodam e distraem muitos outros na congregação.
Devemo-nos interrogar seriamente se vamos aos cultos para louvar a Deus e aprender da Sua Palavra, ou se vamos para prejudicar aqueles que estão à nossa volta.
Quer louvando ao Senhor com os hinos, quer orando ou ouvindo a mensagem de Deus, devemos portar-nos de uma maneira digna do lugar, reverenciando o nome do nosso Senhor Jesus Cristo.

Pastor Celestino Torres de Oliveira