sábado, 17 de março de 2012

DEUTERONÓMIO 26:7



Tudo se tornara trevas à nossa volta e em nós mesmos; o mundo era um imenso vazio e o nosso coração um deserto sem fim. O pecado em nós revelava-se na sua mais cruel realidade: estávamos separados de Deus, impossibilitados de chegar à Sua presença e de Lhe falar. A única coisa que podíamos fazer era clamar, lembrando-nos que Ele é o Deus dos nossos pais, Aquele Deus do Qual ouvíramos dizer ser o Senhor de toda a verdade e de toda a graça.
É certo que nós não víamos nada disso na nossa vida, apenas ouvíramos outros dizer que viveram e ouviram tudo aquilo que Deus fizera e dissera ao Seu povo. Então, no meio da nossa miséria e da nossa opressão, clamamos ao Senhor! Ao fazê-lo constatamos que antes mesmo de clamarmos já Ele tinha ouvido o nosso clamor. Tornou-se, então, uma evidência para nós que os nossos pais não se haviam enganado em tudo aquilo que testemunharam ter visto e ouvido de Deus.
Assim, o Senhor já não era apenas o Deus dos nossos antepassados, o Deus de outrora. Ele estava presente na nossa vida e via-nos a nós, homens e mulheres do século XXI, como vira a nossos pais. A Sua verdade e a Sua graça eram uma realidade em nós, tal como tínhamos ouvido e lido.
Que viu Ele em nós?
A nossa miséria e a nossa angústia, toda a nossa impiedade e pecado, o mesmo que vira nos nossos pais. Mas, tal como fizera com eles, também para nós Ele olhou na Sua graça e na Sua misericórdia, concedendo-nos em Jesus Cristo pleno perdão e purificação dos pecados. Dá-nos agora a força do Seu Espírito para usufruirmos uma vida renovada, desfrutando da Sua comunhão e orientação.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

SALMO 25:1-2




Deus podia perfeitamente deixar-nos confundidos e envergonhados, podia tratar-nos de acordo com o que merecemos. O Senhor podia dizer-nos: A partir de agora vou tratar-vos como mereceis, vou ter em conta aquilo que sois em vós mesmos, no mais profundo do vosso coração. Então seríamos totalmente confundidos e cobertos de vergonha.
Se, na verdade, a vivência cristã se baseasse nos nossos méritos, naquilo que somos em nós mesmos, teríamos imensas razões para cobrirmos o nosso rosto, e o mundo estaria certo ao ridicularizar e desprezar o cristianismo.
Então, onde reside o segredo da vida cristã?
Neste levantar da alma ao Senhor, nesta confiança total em Deus. Mas esta atitude de fé e de humildade o homem não a aprende por si mesmo, não é passível de ser adquirida por ele. Só o próprio Deus nos pode ensiná-la pela Sua Palavra e pelo Seu Espírito. “Em Ti confio”! É neste “em Ti” que reside a insondável certeza que faz da Bíblia, a Sagrada Escritura, a Palavra de Deus.
É certo que foram homens que A escreveram, mas tudo quanto eles disseram e fizeram teria sido coberto de vergonha e de confusão, se não tivessem confiado tão só no Senhor, sendo por Ele inspirados e também impulsionados pelo Espírito Divino em tudo quanto escreveram.
Este o milagre que dá perenidade à Escritura, fazendo com que tudo quanto n’Ela está escrito não só se cumpra infalivelmente, mas seja também a única explicação lógica e possível para tudo quanto existe, e para tudo quanto acontece na nossa vida e no mundo à nossa volta, incluindo o próprio cosmos.

Pastor Celestino Torres de Oliveira