terça-feira, 10 de julho de 2012

CUIDADO COM O INIMIGO


O Inimigo é muito subtil e ardiloso, transforma-se muitas vezes em “anjo de luz” para melhor enganar e ludibriar os crentes sinceros. Ele usa uma linguagem muito espiritual e um vocabulário bíblico, faz afirmações aparentemente corretas e ortodoxas, ganhando assim a atenção e simpatia do crente, deixando-o desprevenido e desarmado para no momento certo lhe inocular o veneno do erro e da heresia. Veneno que, também ele, passa despercebido, sendo absorvido no meio de todo o eloquente discurso.
Há só um meio de não sermos enganados por Satanás nos seus belos e piedosos discursos, é firmar-nos naquilo que constitui a essência do Evangelho, a alma da própria mensagem ou boa nova revelada por Jesus Cristo e transmitida para nós pelos Seus apóstolos, sob a inspiração do Espírito Santo.
Afinal, em que consiste a essência do Evangelho?      
Simplesmente na revelação de que é Deus Quem nos salva e justifica em Cristo por meio da fé. Isto é obra do Espírito Santo em nós. Toda a nossa obediência a Cristo, tudo o que possamos fazer que agrade a Deus, não vem de nós mesmos é fruto da ação do Espírito Santo em nós, transformando e renovando a nossa mente e o nosso coração.
Por isso, para não sermos enganados por Satanás, façamos sempre este teste àquilo que lemos ou ouvimos: qual a conclusão a que chegamos? Somos levados a pensar que tudo depende de uma decisão nossa e que, portanto, o mérito é nosso? Ou concluímos que as nossas decisões e a nossa própria submissão a Cristo dependem da graça de Deus e da decisão suprema do Altíssimo?

Pastor Celestino Torres de Oliveira

O EQUILÍBRIO


É tão difícil evitarmos os desequilíbrios, cairmos em extremos opostos que são igualmente nocivos para a nossa vida e para a vida da igreja a que pertencemos.
Quando as igrejas são frias e os seus cultos se assemelham a velórios, revelando a falta de vida espiritual dos seus membros, aqueles que se insurgem contra uma tal situação têm a tendência de cair num louvor frenético, cheio de vida sem dúvida, mas muito mais carnal do que espiritual.
O equilíbrio, a saúde espiritual, está num louvor vivo, alegre e simultaneamente reverente, elevado em termos de conteúdo bíblico, onde haja entusiasmo e solenidade, e uma coisa não anule a outra.
O que se passa em relação ao louvor é também verdade no que toca à vivência cristã. Há aqueles para quem a fé em Cristo se resume à vida na igreja, ao nível apenas espiritual. Para outros, a fé cristã é sobretudo ação social, envolvimento com o mundo e com os pobres, na busca de soluções materiais para a vida dos homens e das sociedades envolventes.
Também aqui o equilíbrio é a nota da verdadeira espiritualidade e da genuína vivência cristã.
Ao longo desta semana, organizada pela União de Homens da nossa igreja, tivemos ocasião de meditar em que consiste a autêntica vivência cristã, no comportamento adequado para o crente no mundo em que vive.
Esperamos que o Senhor nos tenha dado a todos ouvidos para ouvirmos e corações receptivos à Sua Palavra, a fim de assimilá-La e vivê-La no dia-a-dia, mostrando o equilíbrio revelador da genuína ação do Espírito Santo em nós.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

REVELAÇÃO OU CISTERNAS ROTAS?


Tertuliano, um dos primeiros grandes teólogos da Igreja, afirmava: “Após Jesus Cristo nós não temos necessidade alguma de especular; conhecendo o Evangelho não temos necessidade de procurar para além dele seja o que for. Quando cremos n’Ele não temos necessidade de crer em qualquer outra coisa, pois então creremos que não há nada mais em que possamos crer.”
Não se trata aqui de uma submissão formal à Escritura. Para Tertuliano é Cristo Quem, na Escritura, revela o “sistema” da Verdade que os homens devem crer. Devemos buscar apenas aquilo que Cristo ensinou… A busca da verdade não faz qualquer sentido, e é totalmente vã, a menos que seja feita à luz dos ensinos ministrados pelo próprio Deus na Sua Palavra, a Escritura Sagrada.
Ainda para Tertuliano, “o nosso Senhor, quando viveu neste mundo, Ele mesmo declarou Quem era, como Ele cumpria a vontade do Pai, bem como os deveres que Ele ordenava aos homens”.
Uma das ideias fundamentais da Reforma do século XVI é a de que o homem é,  precisamente, aquilo que Deus em Cristo, na Escritura, diz que ele é.
De facto, tudo quanto a Escritura revela acerca do homem e de Jesus Cristo é a única base para o conhecimento humano, se ele quiser firmar-se na verdade e não nas especulações da mente entenebrecida dos homens. Assim, para sabermos quem somos na verdade, e também Quem Deus é, temos de ir às Escrituras colher os Seus ensinos e revelações, pois só a Palavra de Deus nos dá o verdadeiro conhecimento e sabedoria.
Eis a razão pela qual o temor a Deus, que implica fé em Jesus Cristo, Autorrevelado na Bíblia, é o princípio da sabedoria.
E nós? Será que ainda buscamos nas cisternas rotas da nossa imaginação e das filosofias e religiões humanas, aquilo que só podemos conhecer quando nos submetemos à Revelação de Deus nas Escrituras?

Pastor Celestino Torres de Oliveira

QUE ÊXITO E QUE GLÓRIA?


O grande êxito popular que têm alcançado os movimentos carismáticos, em flagrante contraste com o enfraquecimento numérico das igrejas tradicionais, revela que apesar dos avanços tecnológicos e científicos do mundo moderno o homem em nada mudou.
Se olharmos para os evangelhos verificamos que enquanto Jesus fazia milagres era enorme a multidão que O seguia, e quando o Senhor multiplicou os pães e os peixes até queriam fazê-Lo rei, mas quando Cristo começou a ensinar a Sua doutrina de um modo mais profundo e radical a reação foi de repúdio, sendo muitos aqueles que “tornaram para trás, e já não andavam com Ele” (Jo.6:66). Por fim, a multidão, incitada pelos seus líderes religiosos, exigiu de Pilatos a Sua crucificação...
É também grande o êxito dos astrólogos e videntes, e muitos estão a cair de novo em superstições medievalistas que se supunha terem sido há muito erradicadas da nossa Civilização Ocidental.
É neste ambiente social conturbado e confuso que os verdadeiros crentes em Cristo têm de testemunhar e de viver a sua fé. Não é fácil, mas também nunca foi fácil viver de forma genuína a fé cristã.
Importa perseverar no Evangelho bíblico, na divulgação dos ensinos de Jesus Cristo que encontramos no Novo Testamento. Não caiamos na tentação de imitar aqueles que, por se afastarem da Verdade revelada por Cristo, enganando os homens com um “outro evangelho”, falso e sedutor, prosperam na vida e têm um aparente êxito humano.
Para nós o que deve contar não é a aprovação dos homens, mas a aprovação de Deus, não é a glória dos homens, mas sim a glória de Deus.

Pastor CelestinoTorres de Oliveira