segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

I TIMÓTEO 4:1


Cada vez é mais evidente no meio Evangélico contemporâneo o cumprimento desta profecia do Espírito. As expressões visíveis da fé nos nossos dias, quer no modo como se pretende cultuar e louvar a Deus, quer na vivência quotidiana dos crentes, tem pouco a ver com o modo como sempre se viveu e se expressou ao longo dos séculos a fé genuinamente Evangélica. O que significa ter havido nos últimos anos um desvio significativo da fé uma vez dada aos santos. Já referimos, numa reflexão passada, que o abandono dos hinários tradicionais era sintomático e bem revelador desta realidade, pois não é só a música que está em causa, mas também a própria letra desses hinos, e o testemunho de fé que neles se expressa.
Obviamente que não é difícil reconhecer por detrás desta mudança essencial a acção de espíritos enganadores e da influência de Satanás na mente e no coração dos próprios crentes. O problema crucial é que não basta afirmar com os lábios que se crê em Deus, importa nascer de novo, que haja de facto uma renovação da mente e do coração do homem, para que os sentimentos e pensamentos do crente sejam inspirados pela Revelação de Deus em Cristo Jesus, que encontramos nas páginas da Escritura, nomeadamente no Novo Testamento.
O grande sofisma usado por Satanás nos nossos dias é convencer os crentes de que o tipo de vida evangélico requerido no Novo Testamento é um produto da cultura Ocidental, e portanto é tudo mera questão cultural… Só que isso é falso e enganador. A fé e a vivência dos crentes fiéis a Cristo ao longo dos séculos influenciou, é certo, a cultura Ocidental (e não só), mas é fruto da obediência aos ensinos e mandamentos do Senhor, e é isso que continua a ser importante e decisivo para os nossos dias.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

SURREALISMO OU APOSTASIA?


Há anos atrás, não muitos, nós entravamos numa casa de oração ou templo Evangélico e sabíamos que estávamos numa igreja. Hoje entramos num lugar de "celebração evangélica" e pensamos que estamos num cinema ou em qualquer sala de espectáculos mundanos...
Há alguns anos atrás, quando os crentes reunidos na igreja começavam a louvar ao Senhor com os seus cânticos, todos sabíamos que se iniciara o culto de adoração a Deus. Hoje, quando crentes reunidos num determinado lugar começam a "louvar ao Senhor", nós pensamos que estamos assistindo ao início de qualquer concerto de "rock" ou de outro tipo semelhante de música mundana.
Afinal a que conclusões chegamos?
1. As igrejas estão a falhar completamente na sua missão de transformar e renovar a sociedade em que estão inseridas. Mais grave ainda, é a sociedade decadente e totalmente controlada por Satanás que está moldando e conformando as igrejas à sua imagem.
2. Esta é uma das facetas da apostasia dos últimos tempos que está a tornar-se mais visível nos nossos dias.
3. A crise agrava-se pelo facto dessa apostasia começar na própria liderança das igrejas, o que aliás já acontecia nos tempos da apostasia de Israel, a qual começava também pelos sacerdotes e anciãos do povo.
4. Pessoalmente, cremos que o maior drama espiritual é o dos nossos adolescentes e jovens, bem como das gerações futuras, que não têm nenhum padrão para avaliar o grau de apostasia em que se encontram as igrejas evangélicas, pois não viveram os tempos em que ainda se podia cultuar a Deus em espírito e em verdade, com reverência e ordem, com a dignidade devida Àquele que nos criou e nos salvou em Jesus Cristo.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

PASTORES E DIÁCONOS


À luz do Novo Testamento há apenas duas classes de oficiais na igreja: pastores e diáconos (Fil. 1:1).
Os Pastores também denominados Presbíteros (cuja tradução portuguesa é Anciãos) e Bispos (Act. 20:17,28). A função é de liderança espiritual na igreja, e cada um dos títulos atribuído a essa função revela uma faceta importante do ministério: Presbítero ou Ancião indica a necessidade de maturidade, idoneidade e capacidade de aconselhamento da parte do líder espiritual. Não tem a ver com a idade física, mas sim com a experiência espiritual que deve possuir todo aquele que tem funções de liderança no seio da igreja. Por isso, nunca deveria ser eleito pastor um neófito, ou seja, alguém que se tenha convertido há pouco tempo e que, por conseguinte, não tem experiência, nem maturidade espiritual suficiente (I Tim. 3:6).
Bispo, tem a ver com a necessidade de vigilância pastoral. O líder espiritual da igreja tem de estar sempre atento e vigilante para que as ovelhas do Senhor que lhe foram confiadas não se desviem da fé e da sã doutrina, não sejam presa dos lobos que tantas vezes se disfarçam de ovelhas e se introduzem no seio do rebanho para devorar e destruir. Finalmente o título de Pastor salienta a responsabilidade do bispo e ancião em apascentar as ovelhas, guiando-as a bons pastos, ou seja, ministrando-lhes o alimento espiritual para as suas vidas que é a Palavra de Deus, e lutando em defesa das ovelhas no caso dos lobos procurarem penetrar no rebanho.
Quanto aos Diáconos, eles são os responsáveis na igreja por servir às mesas (Act. 6:1-6), a fim de auxiliarem na satisfação das necessidades materiais dos membros da igreja. Daí estar-lhes geralmente confiado o departamento da beneficência. São como que o braço direito dos pastores, ajudando-os na área administrativa da igreja e também na visitação aos enfermos e no cuidado pelos mais carenciados.

Pastor Celestino Torres de Oliveira

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

AS OVELHAS DE JESUS


O Senhor Jesus é o Bom Pastor que deu a Sua vida pelas ovelhas. seremos nós ovelhas do Senhor? Examinemo-nos à luz do capítulo 10 do Evangelho segundo S. João.
O Pastor chama pelo nome a cada uma das Suas ovelhas. Ou seja, Ele conhece-nos e chama-nos individualmente. E porque Ele nos conhece desde a eternidade, também no devido tempo, quando Ele nos chama, O reconhecemos como nosso Pastor e O seguimos.
Será que estamos de facto seguindo a Jesus Cristo? As ovelhas do Senhor de modo nenhum seguirão a estranhos, não conhecem a voz dos estranhos e fogem dos mercenários e falsos pastores.
Infelizmente vemos ainda membros das nossas igrejas seduzidos por vozes estranhas e dando crédito a qualquer que cita as Escrituras ou fala pretensamente em nome de Jesus... Outros vemo-los prostrados perante os ídolos fabricados pelo mundo, ídolos do desporto, do cinema, da música, e tantos outros...
Para não sermos confundidos pelos falsos mestres, nem seduzidos pelas vozes deste mundo que jaz no maligno, importa firmar-nos cada vez mais na Palavra de Deus, lendo a Bíblia e meditando n'Ela diariamente, em espírito de oração, pedindo ao Senhor que pelo Seu Espírito nos ilumine, dando-nos entendimento para compreendermos e assimilarmos a Sua Palavra, a fim de vivê-La no nosso dia a dia, e em todas as áreas da nossa vivência.
Os ensinos da Escritura, nomeadamente para nós hoje os ensinos do Novo Testamento, devem ser postos em prática em todos os momentos e circunstâncias da nossa vida. Só assim revelaremos ser ovelhas do Senhor Jesus.
Então examinemo-nos com seriedade e honestidade, confrontando a nossa vivência com os ensinos bíblicos. E, se for caso disso, arrependamo-nos enquanto é tempo, e voltemo-nos para o Senhor que é misericordioso em perdoar.

Pastor Celestino Torres de Oliveira