Avançar para o conteúdo principal

A grande interrogação

Creio que a nossa experiência como Cristãos do século XXI é a mesma de todos os crentes que nos precederam: só compreendemos verdadeiramente o alcance das profecias bíblicas quando elas se concretizam ou estão em vias de se cumprirem no tempo.
De facto, a situação que vivemos atualmente no meio religioso denominado “Evangélico” faz-nos compreender muita coisa que era para nós misteriosa há alguns anos atrás, nomeadamente na nossa juventude… Como seria possível surgirem tantos falsos profetas fazendo sinais e maravilhas em nome de Cristo, apesar de viverem no pecado, praticando a iniquidade (Mat. 7:22-23)?
E que dizer da tremenda interrogação que o Senhor deixou no ar: “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lc. 18:8). Por ironia talvez nunca tenha havido tantos movimentos de fé e tantas igrejas que reclamam para si a unção do Espírito. No entanto, onde está a verdadeira fé? Onde está a fé que leva o crente a esquecer-se de si mesmo e dos seus problemas, sejam de que ordem for, a fim de viver para Cristo, buscando o Seu reino e a Sua justiça, mesmo no meio de perseguições e provações?
A fé do verdadeiro discípulo de Cristo implica auto-negação, o morrer para si mesmo, o carregar diário da sua cruz. Uma fé tão distante e diversa daquela que proclamam os tais movimentos modernos de fé, os quais buscam apenas a realização dos desejos da carne, a satisfação das necessidades do homem, e não a glória de Deus.
É óbvio que Cristo satisfaz plenamente todo aquele que n’Ele crê e n’Ele confia em todas as circunstâncias da sua vida…
Mas buscamo-Lo verdadeiramente a Ele, ou desejamos apenas que Ele supra todas as nossas carências e satisfaça todas as nossas necessidades? (João 6:26-27)
Amamo-Lo a Ele ou a nós mesmos?

As mensagens mais procuradas

A reverência na casa de Deus

Muitos pastores, na sua experiência e psicologia prática, afirmam que podem conhecer um crente pelo seu modo de entrar na casa de oração: conhecer a sua espiritualidade, o seu amor a Deus e o conhecimento que tem do Altíssimo.
Há aqueles que entram já depois do culto ter começado, com grande ruído e aparato, sem a mínima reverência, falando com quem passam, sem qualquer respeito para com o acto de culto que está a decorrer. Há, também, crentes que quando chegam mais cedo ficam a falar e a rir no átrio, e só resolvem entrar quando ouvem a congregação cantar o primeiro hino. Outros, durante a prégação da Palavra de Deus estão sempre a olhar para trás e para os lados, com tanta leviandade que causam tristeza. Devemos entrar e estar na casa de Deus com reverência, conscientes do que ali se está a fazer, e sobretudo sabendo que aquele é o lugar onde o nome excelso de Jesus é invocado e anunciado aos pecadores. Não devemos ser tão negativos ao ponto de julgarmos uma congregação inteira por m…

Tiago 4:7

Satanás não dorme e está em constante atividade, preparando-nos ciladas e tentando continuamente os remidos do Senhor. Importa, pois, que estejamos conscientes da existência deste astuto Inimigo. Quer os homens creiam ou não, o facto é que Satanás existe, pois a Palavra de Deus assim o afirma.
Vejamos, então, alguns efeitos da ação do Inimigo na vida dos crentes em Jesus Cristo:
Quem é que leva os crentes a optarem por uma ida ao cinema, ao futebol, à praia ou ao campo, em vez de estarem na casa de oração a cultuarem a Deus? Quem fomenta nalguns crentes o hábito de chegarem sempre depois do culto já ter começado? Quem faz com que os pensamentos de muitos voem para bem longe durante o culto? Quem incentiva a nossa preguiça natural levando-nos a preferir ficar a descansar em casa, em vez de irmos participar no culto da nossa igreja? Quem faz com que tantos sejam atraídos por más companhias e más conversações? Todos sabemos que o Inimigo procura continuamente desviar-nos da leitura diária…

Romanos 3:9

Sabemos que todas as coisas que sucedem na nossa vida e à nossa volta na sociedade contribuem, na sua globalidade, para o nosso bem.Que bem é este?
Sermos conformes à imagem de Cristo. A Escritura afirma que aqueles aos quais Deus conheceu como Seus, e aos quais amou e ama com amor eterno em Cristo Jesus, a esses também predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Ele seja o primogénito entre muitos irmãos.
Assim, todos aqueles a quem Deus chama e atrai a Jesus Cristo por meio da fé no Evangelho, a todos esses o próprio Senhor vai moldando e aperfeiçoando em Cristo Jesus, de modo a que no final dessa Sua obra em nós, estejamos conformes à imagem de Cristo.
Sabemos que Deus opera em nós, não só pelo Seu Espírito, mas também através dos diversos acontecimentos e circunstâncias que surgem na nossa vida ao longo desta peregrinação terrena. Portanto, por mais adversas e penosas que sejam as situações pelas quais passamos, sabemos que todas elas têm um alvo na nossa vid…

“Regozijai-vos sempre no Senhor"

“REGOZIJAI-VOS SEMPRE NO SENHOR; OUTRA VEZ DIGO, REGOZIJAI-VOS” (Filipenses 4:4)

A mensagem da cruz não deixou por certo de nos lembrar que temos de nos identificar com o sofrimento, a condenação e a morte do nosso Senhor. Mas por isso, e além disso, a mensagem da cruz diz-nos também que temos de nos regozijar continuamente no Senhor.
Porquê?
Porque Ele ressuscitou, porque Ele venceu a morte e subiu aos céus estando agora acima de tudo e de todos, sendo soberano sobre os céus e sobre a terra, pelo que nada, nem ninguém nos pode separar do Seu amor.
Ignoramos ainda o verdadeiro significado da fé e todo o horror do inferno, temos ainda uma visão insuficiente da nossa perdição enquanto não compreendermos o significado profundo deste “regozijai-vos”. Por isso há tantos desejos insatisfeitos no nosso coração e qualquer acontecimento, feliz ou infeliz, qualquer mágoa ou dor oculta, coisas a que damos evidentemente proporções gigantescas, reaparecem como os deuses que de facto reconhecemos e …